fale conosco pelo
WhatsApp
WEB
activas NEWS
07/07/2020
Gestão disruptiva como caminho para uma organização exponencial

A activas completa 30 anos no mercado investindo na evolução do seu modelo de gestão. Acreditamos que o caminho que nos levará aos próximos trinta anos está sendo aberto por meio das inovações disruptivas que temos implementado na empresa ao longo de nossa história.

Nosso modelo de negócio é baseado em um processo de evolução permanente, orientado pelo conceito de “distribuição disruptiva”, que nos levará a alcançar o propósito de nos tornarmos uma “organização exponencial”.

O conceito de organização exponencial refere-se ao impacto desproporcionalmente maior que causa quando comparado a empresas que adotam modelos tradicionais de gestão. No geral, a capacidade de crescimento de uma organização disruptiva chega a ser dez vezes mais rápido do que a de suas concorrentes, por promover inovações que, de alguma forma, permeiam todas as áreas da empresa. Com isso, uma organização desta natureza permite o crescimento acelerado, mas sustentável.

Empresas com estrutura hierárquica fixa e maior quantidade de funcionários não têm a capacidade de modificar suas formas de atuação e seus modelos de gestão. A partir dessa percepção, percebemos uma oportunidade para crescermos e nos diferenciarmos. O ponto de partida para a mudança foi a constatação de que a lógica do mercado mudou. No passado, quanto maior a força de trabalho de uma empresa, mais ela produzia. Neste cenário, a força de trabalho excessiva passa a ser uma barreira, reduzindo a velocidade das operações e gerando complexidade e custos elevados. Hoje, a tecnologia não apenas alterou o comportamento do consumidor, como também permitiu agilizar as operações, eliminar processos manuais e automatizar tarefas repetitivas dentro das corporações.

Organizações tradicionais operam de maneira linear, com uma quantidade limitada de recursos, enquanto as organizações exponenciais trabalham com um modelo de negócio escalável, algo que se pode reproduzir repetidamente, em grande quantidade e com alto ganho de produtividade.

Organizações geridas a partir de modelos antigos e tradicionais, normalmente dependem de uma estrutura baseada fortemente em hierarquia, centralização de poder e com baixa tolerância para o risco. Já as exponenciais carregam consigo, desde o seu nascimento, uma cultura de descentralização de poder, que valoriza a experimentação e a autonomia, e são fortemente direcionadas para a inovação. Empresas disruptivas e exponenciais possuem DNA inovador, com enorme capacidade para utilizar recursos e ativos já existentes. Um bom exemplo disso é o Waze, que utiliza os smartphones dos seus usuários para entregar informações de trânsito.

O pensamento disruptivo é ilimitado e não está restrito a segmentos que operam diretamente com a tecnologia. Crescer acima da média se torna uma consequência quando se utiliza a inovação a favor do desenvolvimento de soluções cada vez melhores e, principalmente, como um norte na hora de definir e operar seu modelo de negócio.

O conceito de organização exponencial deve ser percebido, antes de tudo, como uma nova forma de enxergar o mercado sob o ponto de vista do consumidor e, consequentemente, de fazer gestão. Nós, da activas, temos investido na implantação e na condução dos nossos negócios a partir deste modelo organizacional. O aperfeiçoamento constante do nosso sistema operacional tem revertido em agilidade para compreendermos e nos adaptarmos de forma inovadora às necessidades do mercado. Este diferencial é o que nos trouxe até aqui e, acreditamos, é o que nos levará aos próximos 30 anos.

Laercio Gonçalves
CEO na Activas Brasil

07/07/2020
Gestão disruptiva como caminho para uma organização exponencial
Leia o artigo
01/07/2020
activas faz entrega de máscaras desenvolvidas pela Ambev
Leia o artigo
24/06/2020
Empresas de transformação do plástico doam 150 mil máscaras
Leia o artigo
activas conquista selo CO2 Neutro
Leia o artigo
05/06/2020
Em 2020, a activas completou 30 anos!
Leia o artigo
26/05/2020
A importância do plástico na prevenção da covid-19
Leia o artigo